Tipos de panela: qual devo usar? Qual é a melhor?

Tipos de panelas

Existe panela certa para cozinhar? Sim, o tipo de panela que utilizamos pode interferir na preservação dos nutrientes e na maior ou menor contaminação tóxica.

alumínio

Alumínio: têm preço acessível, são leves e aquecem rapidamente, porém liberam alumínio, metal tóxico que, quando em excesso, está relacionado a doenças neurológicas, como Alzheimer e Parkinson. Não se deve arear a panela, para evitar que mais metal migre para o alimento.

teflon

Antiaderentes: revestidas com um polímero chamado politetrafluoretileno (PTFE), mais conhecido pelos nomes comerciais como teflon e T-FAL. Aquecem rápido, são de fácil higienização e permitem utilizar menos ou nenhum óleo. Altas temperaturas por tempo prolongado podem danificar o teflon. O ideal é não usá-la a partir do momento em que estiver arranhada, por isso, tenha cuidado no preparo dos alimentos e no armazenamento.

vidro

Vidro: são atóxicas, permitem visualização das preparações por todos os ângulos e podem ser usadas para armazenar alimentos, porém são frágeis, esquentam muito rápido (cuidado para não queimar ou grudar os alimentos) e têm preço menos acessível.

inox

Inox: fácil higienização, mantêm o calor do alimento e têm maior durabilidade. Liberam ferro, cromo e níquel, principalmente nas primeiras vezes de uso. O níquel é um metal tóxico que, em excesso, está associado a alergias, asma e pode afetar o sistema nervoso. Por isso, colocar água, ferver 3x antes de usar e desprezar a água a cada fervida é uma boa estratégia para retirar o excesso destes minerais.

cerãmica

Cerâmica e barro: preservam o calor e são mais indicadas para cozimento lento em fogo baixo, pois são muito aderentes.

esmaltada

Esmaltadas: fácil higienização e boas condutoras de calor, porém seu valor é menos acessível.

pedra sabão

Pedra-sabão: antiaderentes, de fácil higienização e mantêm o calor, porém são pesadas. Liberam cálcio, magnésio, ferro e manganês e não devem ser utilizadas para armazenar alimentos.  Ao guarda-la, observe se ainda está úmida.

ferro

Ferro: mais acessíveis, porém pesadas e de difícil higienização. Liberam ferro para o alimento. Os fatores que podem favorecer a migração são os alimentos mais ácidos, teor de água, tempo e temperatura de contato e tempo de uso.

Referências bibliográficas:

Amorim MC, Lucas EF. Uso de polímeros na remoção de metais pesados. Revista Química Industrial, n.715, p.32-37, 1999.

Bondy SC. The neurotoxicity of environmental aluminum is still an issue. Neurotoxicology. 2010 Sep; 31(5):575-81. doi: 10.1016/j.neuro.2010.05.009. Epub 2010 May 27.

Priscilla CF, Kamila AP, Angela Maria MT, Susana IS. Alumínio como fator de risco para a doença de Alzheimer. Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.16 n.1 Ribeirão Preto Jan./Fev. 2008.

Post elaborado pela Nutricionista parceira:

Thalita Pedroza – Nutricionista RJ

(21) 98083-9415

@thalitapedrozanutri

http://www.facebook.com/thalitapedrozanutri

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s